Inspirações

Sinais para a introdução alimentar: meu filho está pronto?4 minutos de leitura

29/05/2019 3 min read

Sinais para a introdução alimentar: meu filho está pronto?4 minutos de leitura

Reading Time: 3 minutes

O bebê está perto dos 6 meses e o assunto é a introdução alimentar. Muitas são as dúvidas: quando começar? Como? Quais alimentos devo oferecer e com quais acessórios? Para ajudar na fase vamos falar sobre os sinais para a introdução alimentar. A partir deles você saberá se seu filho está pronto para começar a descobrir um mundo de cores e sabores!

O bebê nasce e os primeiros meses são de ajustes. Rotina, mamadas, sono (ou a falta dele!). Passada a fase vão chegando novas descobertas. Os movimentos da mão, segurar brinquedos, pegar o pé, sentar com apoio. Uma novidade mais interessante que a outra! E a introdução alimentar com certeza é uma delas, que marca o primeiro ano de vida dos pequenos.

Falando de introdução alimentar

Para nos dar uma mãozinha nesse cardápio recheado de novidades, conversamos com a mãe da Maria Clara (6 anos) e do Bento (7 meses).

Nutricionista infantil e autora do blog Maternidade Colorida, Paola Bueno Correia Preusse compartilhou com a gente algumas dicas preciosas sobre a introdução alimentar.

Quando começar?

Segundo Paola, a idade recomendada (inclusive pela OMS – Organização Mundial da Saúde) para iniciar a alimentação com o bebê é a partir de 6 meses. Ela comenta: “Normalmente os bebês começam a se interessar pelo o que comemos, mas isso pode ser apenas curiosidade. O que acontece é que eles querem tudo que vêem e os alimentos entram na gama de escolhas. Se você estiver penteando o cabelo, o bebê vai querer sua escova e se você estiver com o controle remoto da TV, ele também vai querê-lo”.

Então, o fato isolado do bebê se interessar pelo alimento do adulto não é um indicativo de que ele está pronto para começar a comer. Diante disso surge a pergunta: mas como reconhecer a hora certa?

Tenha tranquilidade porque os bebês costumam mostrar sinais de prontidão, responsáveis por “avisar” os papais que estão prontos para o que podemos chamar de uma nova “caminhada gastronômica”.

Sinais para a introdução alimentar

  • O bebê pode sentar-se bem sem apoio (ou com mínimo apoio);
  • O bebê não empurra automaticamente os sólidos para fora da boca com a língua;
  • Ele está pronto e disposto a mastigar;
  • Desenvolveu o “movimento de pinça”, começando a tentar pegar os alimentos ou outros objetos pinçando-os entre o polegar e o indicador;
  • Ele sabe levar brinquedos e objetos à boca;
  • Tem controle total da cervical (cabeça bem firme).
Confira acessórios para a hora de comer na BB + Lindo

Com tantas opções, qual alimento escolher?

Paola ressalta que todos os alimentos que encontramos na feira são indispensáveis. “A variedade do cardápio é o grande segredo da alimentação saudável e o primeiro passo para que eles se tornem crianças que comem de tudo”. Frutas, legumes, verduras, carnes e cereais naturais estão liberados.

Um ponto importante para as famílias ficarem de olho é a idade certa para inserir alimentos específicos. Por exemplo, frutos do mar, leite de vaca e derivados devem entrar no cardápio após os pequenos completarem 1 ano. Açúcar? Só acima dos 2 anos.

A nutricionista também destaca: “Conforme eles completam meses, precisamos evoluir na consistência para que estejam prontos para a comida da família, com um ano”.

Outra observação da Paola é de que algumas mudanças acontecem quando a introdução alimentar tem início. “A primeira coisa que muda é o cocô! Os bebês podem ficar até 3 dias sem sujar a fralda e quando ele chega, percebemos que a consistência também muda! Outro ponto que pode ter alteração é o sono. Mas aqui a mudança é momentânea, até equilibrar toda a novidade da introdução alimentar”.

Muita calma nessa papinha, digo, nessa hora!

Paola lembra que as mães devem segurar a ansiedade e não esperar que os bebês aceitem de primeira toda e qualquer novidade na introdução alimentar. “Pense: durante 6 meses eles estavam acostumados com um só sabor, temperatura, consistência e textura. De repente, tudo muda e as novidades não param de chegar. É normal estranhar”.

Para ela, outro ponto importante é aprender o movimento do mastigar (mesmo sem dentes). Esse é um processo muito novo e se associa ao ato de engolir. “Isso pode levar dias, nem sempre é imediato. Respeitar a quantidade que os bebês comem é fundamental, ter paciência com a sujeira e com os dias que eles não aceitam nada”.

O segredo de uma receita de sucesso? Pitadas sem medida de amor e paciência!